Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sábado, 31 de agosto de 2013

Palestinos temem que ataque à Síria acenda pavio na região

Imagem: Pragmatismopolitico
Os palestinos vivem na incerteza os últimos eventos na Síria e têm sentimentos variados sobre se Damasco ou seus aliados poderiam responder com um ataque dirigido a Israel.
 
Na Faixa de Gaza, governada pelo movimento islamita Hamas, a maioria da população rejeita uma intervenção dos Estados Unidos na Síria "apesar dos massacres cometidos pelo regime de Bashar al Assad contra o povo sírio e, também, contra os refugiados palestinos que lá vivem", afirmou à Agência Efe o analista palestino Hassan Abdo.

Na Cisjordânia, há a mesma sensação: embora alguns defendam a necessidade de derrubar Assad por quaisquer meios, a maioria opina que o Ocidente não deve intervir e teme que um eventual ataque acenda o pavio na região.

"O mundo deve apoiar o povo sírio a se livrar do ditador Assad, mas nos opomos a uma intervenção americana e aliada na Síria, porque rejeitamos qualquer intervenção estrangeira em assuntos árabes", declarou à Efe Fadi Abu Al Yidyan, professor palestino de 37 anos que cresceu na Síria e se mudou para Gaza em 1996.

Muitos na faixa estão convencidos de que um bombardeio ocidental à Síria faria com que milícias palestinas simpatizantes de Damasco, como a Jihad Islâmica ou a Frente Popular para a Libertação da Palestina (PLFP), respondam lançando foguetes contra Israel, o que levaria a bombardeios israelenses sobre Gaza.

Não se espera, no entanto, uma reação do Hamas, que apoiou a revolução contra o regime sírio e tirou de Damasco sua sede política no exílio há mais de um ano.

"Os países árabes devem trabalhar duro para acalmar a situação e ajudar o povo sírio a conseguir sua liberdade", afirmou à Efe Salah el Bardaweel, do alto escalão do Hamas em Gaza, que acusa os Estados Unidos de "manter silêncio durante dois anos de massacres e crimes contra a humanidade na Síria e de atuar só quando foram utilizadas armas químicas por medo de que também fossem usadas contra Israel".

O possível ataque, segundo ele, não está voltado a "ajudar a levar a democracia ou a liberdade à Síria", mas unicamente "a ajudar Israel".

"EUA e Ocidente não intervêm em assuntos árabes para ajudar as nações árabes a se livrar de seus ditadores, mas sempre para proteger seus interesses, ajudar os ditadores a sobreviver e apoiar e proteger Israel", sentenciou.

Ismail Al Basha, de 48 anos e empregado de um restaurante sírio em Gaza capital, se diz convencido de que "um ataque contra a Síria forçaria os milicianos pró-sirios em Gaza a lançar uma guerra contra Israel, e então Israel voltaria a fazer outra guerra contra a Faixa que aumentará o sofrimento, as mortes e a destruição de edifícios".

São muitos os que temem que a intervenção internacional contra Damasco ponha fim à trégua atingida entre Israel e Hamas em novembro do ano passado, após a operação militar israelense "Pilar Defensivo", que levou à morte de 170 palestinos e 6 israelenses.

"Se os ataques forem graves, as facções palestinas violarão o cessar-fogo. Se a intervenção for grande, afetará toda a região", assegura o analista Abdo.

A Jihad Islâmica anunciou em comunicado que rejeita "qualquer intervenção" na Síria e que "condenará qualquer agressão americana ou israelense" sobre esse país, mas não ameaçou com represálias concretas.

Samir Khaldun, professor de 45 anos da Universidade Al Quds, em Abu Dis (Cisjordânia), atribui a intenção de atacar à Síria a uma tentativa de "fragilitar sua capacidade militar, como mais um passo do Ocidente para suprimir a potência militar dos países árabes".

Nem todos pensam como ele: Mohammed Said, de 32 anos e residente de Al-Bireh (Ramala), acredita que "o regime sírio deve cair, seja com intervenção ocidental ou através da revolução interna", uma opinião compartilhada pelo bancário Marwan Issa, embora lamente que as potências ocidentais é que tenham que acabar com ele.

Outra questão que preocupa os palestinos é que a atual situação regional, com sérias crise na Síria e Egito, afastaram do foco a causa palestina e que o fim da ocupação israelense é uma questão cada vez menos importante para o Ocidente, que monitora traumas maiores no Oriente Médio.
 
EFE
DeOlhOnafigueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário