Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Israel busca negociar com UE sobre sanções previstas

De acordo com diretrizes da Comissão Europeia, "entidades" israelenses que operam na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental não poderão receber subsídios da UE
Bandeiras de Israel
Bandeiras de Israel: governo israelense respondeu anunciando reduções em projetos de ajuda da UE para milhares de palestinos da Cisjordânia
Israel pediu à União Europeia nesta sexta-feira que repense as sanções previstas contra organizações israelenses em territórios ocupados e solicitou conversações sobre o tema, numa mudança de tom em relação à ira anterior com as medidas de retaliação.

De acordo com diretrizes adotadas pela Comissão Europeia em junho, "entidades" israelenses que operam na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental não poderão receber subsídios da UE, prêmios ou empréstimos a partir do próximo ano.

A iniciativa foi bem-recebida pelos palestinos, que buscam um Estado nesses territórios, e lamentada por Israel, que se estabeleceu extensivamente na Cisjordânia e considera Jerusalém sua capital indivisível -- um status não reconhecido internacionalmente.

O governo israelense respondeu em 26 de julho, anunciando reduções em projetos de ajuda da UE para milhares de palestinos da Cisjordânia. Na quinta-feira, Israel acusou os europeus de prejudicarem os esforços de paz entre israelenses e palestinos e disse que não iria assinar novos acordos com o bloco de 28 nações, devido às sanções previstas.

Mas o vice-ministro das Relações Exteriores israelense, Zeev Elkin, tomou um rumo mais diplomático nesta sexta-feira, oferecendo-se para negociar com a União Europeia sobre as diretrizes, que ele descreveu como um desafio à soberania do Estado judeu.

"Estamos prontos para realizar um diálogo criativo com os europeus. Entendemos a sua posição. Nós rejeitamos, nós não gostamos dela, mas é direito deles, quando se trata de usar seu dinheiro", disse Elkin à Rádio Israel.

"Estamos pedindo que os europeus também levem em consideração os problemas jurídicos e outros que isso criará no lado israelense. Queremos voltar e estamos pronto para negociar, mas se os termos ficarem do jeito que estão hoje --medidas sem precedentes, além de qualquer coisa até hoje-- não seremos capazes de fazê-lo".

Exame
DeOlhOnafigueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário