Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Pena de morte para quem carregar a bíblia na Arábia Saudita

Nova lei sobre literatura pode por fim ao cristianismo na região

A Arábia Saudita é o “berço” do Islamismo, tendo em Meca a cidade mais sagrada desta religião. Já é proibido aos não muçulmanos entrarem naquela cidade. De modo geral, a perseguição religiosa só aumenta. Não há igrejas conhecidas e a maioria dos cristãos naquela nação são imigrantes estrangeiros.

Agora, o governo do país que já se diz regido pela lei sharia, anuncia modificações em uma lei sobre literatura. Isso poderá marcar o fim do cristianismo na região. O motivo é simples: está prevista pena capital para quem carregar Bíblias para dentro da Arábia. Ou seja, o que já era considerado contrabando, agora chega ao extremo. Não se pode comprar legalmente uma cópia das Escrituras por lá.

A missão Heart Cry [Clamor do coração] divulgou em seu relatório mais recente que ao legislar sobre a importação de drogas ilegais, incluiu-se um artigo que aborda “todas as publicações de outras crenças religiosas não islâmicas e que tragam prejuízo”. Ou seja, na prática, entrar com uma Bíblia na Arábia Saudita será o mesmo que carregar cocaína ou heroína.


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Palestinos querem paz em 12 meses com Israel

Palestinos apresentaram projeto à ONU para paz 'justa e duradoura'.
EUA podem vetar proposta. 

Os palestinos apresentaram nesta quarta-feira (17) ao Conselho de Segurança das Nações Unidas um projeto de resolução que 'afirma a urgência de se alcançar uma paz global, justa e duradoura' em um prazo de 12 meses. 

O texto, obtido pela AFP, menciona como um dos 'parâmetros' de uma solução negociada 'a retirada completa e por etapas das forças de segurança israelenses, para terminar com a ocupação que começou em 1967 (...), em um prazo razoável, que não deverá ir além do final de 2017'.

Ambas exigências são, a priori, dificilmente aceitáveis para os Estados Unidos, que ameaçam utilizar seu direito de veto, assim como para Israel.

O embaixador palestino na ONU, Riyad Mansur, anunciou que os palestinos estão dispostos a realizar mudanças no texto e que podem esperar antes de submetê-lo a voto, contrariando altos dirigentes palestinos de Ramallah, na Cisjordânia.


Sob a pressão dos europeus e dos países árabes, principalmente Jordânia, os palestinos aceitaram prosseguir com as negociações, incluindo com EUA, para atingir um texto de consenso que possa ser aceito pelo Conselho.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Terceira Guerra? Rússia irá declarar GUERRA aos EUA se Obama assinar lei pelo apoio à Ucrânia!


Rússia vai reagir, mas só após a entrada em vigor da lei "Apoio a liberdade na Ucrânia", aprovada por unanimidade pelo Congresso dos Estados Unidos, e que permite a primeira fase de entrega de armas letais Ucrânia.

De acordo com UNIAN , sobre isso, o chanceler russo, Sergei Lavrov, disse em entrevista à "France 24".

"Em primeiro lugar, o documento deve ser assinado. Em segundo lugar, se for assinado e entrará em vigor, após deve ser aplicado na prática. Vamos ver se isso é assim, e se isso acontecer, será o presidente dos EUA, Barack Obama para aplicar as disposições da presente lei. Então, vamos avaliar a situação", - disse Lavrov.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Palestinos apresentarão projeto de resolução na ONU; EUA ameaçam vetar

Imagem: Grato.org
Os palestinos submeterão na quarta-feira ao Conselho de Segurança da ONU seu projeto de resolução para reivindicar o fim da ocupação israelense, ao que os Estados Unidos reagiram com uma ameaça de veto, disseram nesta terça dois altos funcionários à AFP.

"Enviaremos amanhã nosso projeto ao Conselho de Segurança da ONU", disse na noite desta terça-feira à AFP Nimr Hamad, conselheiro do presidente palestino, Mahmud Abbas.

O principal negociador palestino, Saeb Erakat, se reuniu nesta terça-feira, em Londres, com o secretário de Estado americano, John Kerry, que lhe disse que os Estados Unidos vetarão o texto, explicou o dirigente palestino à AFP.

"Kerry disse à delegação palestina: 'Vamos vetá-lo'", afirmou Erakat.

Sinais do fim: ONU alerta que seca na América Central está se tornando crise humanitária

seca2 1024x688 Seca na América Central pode se transformar em crise humanitária, alerta ONU
Foto: OCHA/Dan DeLorenzo
Quase 2,5 milhões de pessoas em Honduras, Guatemala e El Salvador estão sofrendo com a seca prolongada, que já afetou a safra de milho, de feijão e matou centenas de cabeças de gado.

A seca prolongada que afeta os países da América Central está se transformando em uma crise humanitária com impacto em quase 2,5 milhões de pessoas que vivem em Honduras, Guatemala e El Salvador, afirmou o porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), Jens Laerke, nesta sexta-feira (12).

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Netanyahu rejeita ultimato palestino para fim da ocupação

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu
O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu: segundo o governo de Israel, a resolução do conflito deve ser o resultado de uma negociação direta com os palestinos
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rejeitou nesta segunda-feira o projeto que os palestinos pretendem apresentar durante a semana ao Conselho de Segurança da ONU, no qual pedem a aprovação de uma resolução para acabar com a ocupação israelense no prazo de dois anos.

"Não aceitamos as tentativas que pretendem nos impor medidas unilaterais em um prazo determinado, em um momento no qual o islamismo radical se propaga no mundo", afirmou Netanyahu, segundo a rádio militar israelense, antes de viajar a Roma para uma reunião com o secretário de Estado americano, John Kerry.

A ofensiva diplomática palestina estará no centro das conversações entre Netanyahu e Kerry.


Sinais do fim: Suecos fazem 'festas do implante' para se transformar em ciborgues

Suecos fazem 'festas do implante' para se transformar em ciborgues. Entusiastas da tecnologia usam chips que permitem abrir portas sem chave e destravar celulares
Suecos fazem 'festas do implante' para se transformar em ciborgues. Entusiastas da tecnologia usam chips que permitem abrir portas sem chave e destravar celulares
Já era noite em Estocolmo quando um grupo de oito pessoas chegou ao Swahili Bobs, um estúdio de tatuagem nos becos escuros do bairro de Sodermalm.

Durante o dia, eles são empresários de tecnologia, estudantes, web designers e consultores de TI, mas, naquela noite, eles seriam transformados em ciborgues.

Pode parecer o início de um romance de ficção científica, mas é um relato de acontecimentos reais, protagonizados pelo biohacker Hannes Sjoblad.

Ele organizou o que chama de "festa do implante", que aconteceu no final de novembro e foi um de muitos eventos semelhantes. Durante o encontro, oito voluntários recebem implantes com um pequeno chip de identificação por rádiofrequência (RFID) sob a pele da mão. Sjoblad também tem um.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Pastores e líderes do candomblé se unem na Bahia

Pastores e líderes do candomblé se unem na Bahia
Pastores e líderes do candomblé se unem na Bahia
Encontro ecumênico na Bahia surpreende. Com cerca de 27 metros de diâmetro, a rocha conhecida como “Pedra de Xangô” fica em Salvador, entre os bairros Cajazeiras X e Fazenda Grande II. Há séculos é visitada pelos seguidores das religiões afro-brasileiras. Para eles é um local sagrado, onde depositam suas oferendas e fazem rituais.
 
Em novembro, um grupo de evangélicos foi acusado de pichar a pedra, despejar 200 quilos de sal grosso no local e destruir as oferendas. Isso causou revolta nos adeptos das religiões afro, que passaram a pedir o tombamento do local pelo poder público. O governo da Bahia, que é do PT, já sinalizou que assentará.

“Esse monumento aqui significa muito para o povo do axé, para o povo do candomblé, de Umbanda, que aqui cultuam suas divindades e este monumento precisa ser preservado”, disse Leonel Monteiro, da Associação de Preservação da Cultura Afro.

Uma denúncia formal foi feita ao Centro de Referência de Combate ao Racismo Nelson Mandela, localizado na capital baiana, por líderes de religião afro. Eles alegam que é um caso claro de intolerância religiosa. Nenhuma igreja evangélica foi formalmente acusada, pois não há testemunhas.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Impactante discurso do embaixador israelense Ron Prosor na Assembleia Geral da ONU

Discurso dado às 16h00 em 24Nov2014
Sr. Presidente,
Apresento-me diante do mundo como um orgulhoso representante do Estado de Israel e do povo judeu. Apresento-me ereto frente a vocês por saber que a verdade e a moralidade estão do meu lado. E apesar disto, estou  aqui sabendo que hoje, nesta Assembléia, a verdade será colocada de cabeça para baixo e moralidade será posta de lado.
O fato em questão é que, quando os membros da comunidade internacional falam sobre o conflito israelense-palestino, uma névoa desce no intuito de encobrir toda a lógica e clareza moral. O resultado não é a realpolitik e sim a surrealpolitik.
O foco incansável do mundo sobre o conflito israelense-palestino é uma injustiça para com dezenas de milhões de vítimas da tirania e do terrorismo no Oriente Médio. Enquanto falamos, yazidis, bahai, curdos, cristãos e muçulmanos estão sendo executados e expulsos por extremistas radicais a uma taxa de 1.000 pessoas por mês.
Quantas resoluções vocês aprovaram na semana passada para enfrentar esta crise? E quantas sessões especiais foram convocadas? A resposta é zero. O que isso diz sobre a preocupação internacional para a vida humana? Não muito, mas diz muito sobre a hipocrisia da comunidade internacional.
Estou diante de vocês para falar a verdade. Dos 300 milhões de árabes no Oriente Médio e Norte da África, menos de meio por cento são verdadeiramente livres e eles são todos cidadãos de Israel.

Israel "fará abortar quaisquer tentativas de armar inimigos do país"

Israel, Síria, ataque, Hezbollah
Foto: AP/Omar Sanadiki
Israel fará abortar "a qualquer momento, de qualquer maneira e em qualquer lugar" as tentativas de armar os inimigos do país, anunciou o ministro da Defesa israelense, Moshe Yaalon, no segundo dia após o ataque aéreo contra os subúrbios de Damasco, cuja responsabilidade é atribuída pelas autoridades sírias à Força Aérea israelense.

A liderança política e o comando militar do Estado judeu não reconhecem nem negam o envolvimento no ataque, cujo alvo, de acordo com relatos da imprensa estrangeira, eram os depósitos de armas destinadas provavelmente ao grupo libanês Hezbollah.