Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Ditadura nos EUA: Obama anuncia plano para governar com plenos poderes

Esta é a próxima fase da ditadura "proposta para salvar as crianças e os trabalhadores".

[Imagem: obama-queimaaconstitui%C3%A7%C3%A3o.png]
Obama anunciou oficialmente seus planos pra jogar a Constituição Americana no lixo e avançar com uma ditadura socialista-corporativista sem a participação do Congresso ou do povo americano. Ele fez o anúncio nesta terça-feira durante uma reunião de gabinete. 

"Nós não podemos ficar à mercê da Legislação, temos que nos certificar de que estamos fornecendo aos americanos a ajuda de que necessitam. Eu tenho uma caneta e tenho um telefone", disse Obama.

"E eu posso usar a caneta para assinar ordens executivas e tomar ações executivas e ações administrativas que mandam a bola pra frente para ajudar a garantir que os nossos filhos estão recebendo a melhor educação possível, certificando-se de que nossas empresas estão recebendo o tipo de apoio e ajuda que eles precisam para crescer e avançar, e certificar que as pessoas estão recebendo as habilidades que eles precisam para obter os postos de trabalho que as nossas empresas estão criando".

O Artigo I, da Seção I, da Constituição Americana diz claramente que todos os poderes legislativos deve ter o parecer do Congresso. Os criadores destas Leis foram inspirados pelos escritos de Montesquieu, onde explicitou três ramos separados do Governo e instituiu um sistema de freios e contrapesos para evitar a tirania. "Não pode haver liberdade onde os poderes legislativos e executivos estão unidos na mesma pessoa", escreveu Montesquieu.

James Madison advertiu na Lei Nº 46 que o poder consolidado no nível executivo é a própria definição de tirania. "A acumulação de todos os poderes, legislativo, executivo e judiciário, nas mesmas mãos... pode justamente ser pronunciada a própria definição de tirania."

George Washington assinou a primeira Ordem Executiva ao proclamar o Dia Nacional de Ação de Graças em 1789. Desde aquela época, o Supremo Tribunal decidiu que ordens executivas não podem ser usadas ​​para fazer a lei, somente executar as leis aprovadas pelo Congresso. De Woodrow Wilson e Franklin Roosevelt em diante, no entanto, os presidentes assinaram um grande número de ordens executivas cada vez mais audaciosas e inconstitucionais.

"Obama não tem o charme de Franklin Roosevelt, no entanto, procura seguir o seu caminho em crescente poder executivo", escreve David Davenport. "Começando com o presidente Woodrow Wilson, e culminando no New Deal de Roosevelt, os progressistas procuraram minar o poder do Legislativo em favor do poder consolidado na esfera executiva.

De passar o projeto de lei de reforma da saúde arrebatadora em um voto de linha do partido, para o maior uso de czares executivos em nossa história, para iniciar novas políticas sobre coisas como a imigração e controle de armas por ordem executiva, Obama pretende deixar 225 anos de separação constitucional de poderes por trás. Isso precisa ser exposto: uma série de infrações constitucionais e uma tomada de poder por um presidente frustrado e sem legado".

Os republicanos, que estavam à procura de munição partidária para atacar um presidente democrata, sem dúvida, podem criticar à vontade esta mais recente afronta constitucional de Obama. As ordens executivas e a evolução gradual da presidência imperial não se limitam aos democratas, no entanto.

"Ambos, os republicanos e os democratas, gostam de se referir ao termo 'presidência imperial' quando alguém faz algo como isto na Casa Branca", explica William L. Anderson. "No entanto, ambas as partes agiram para proteger e fortalecer a presidência quando estava a seu favor."

"A menos que os membros dos outros ramos estejam dispostos a agir sobre o importante princípio da descentralização do poder, a experiência americana vai acabar por ser nada mais do que uma nota de rodapé da história."

Este rebaixamento da experiência americana para uma nota de rodapé irrelevante é precisamente o que a elite global deseja, um "estrangulamento" do Governo.

Os intelectuais globalistas continuam a argumentar em favor da destruição da Constituição. Em 2011, o repórter da CNN, Fareed Zakaria, argumentou que a Constituição é antiquada e seus princípios devem ser "debatidos e fixados" para compactuarem com a era moderna. "Eu desejaria que houvesse um conjunto de alterações para modernizar a Constituição para o século 21", sugeriu Zakaria.

O cumprimento da Constituição é agora retratada como uma forma de doença mental. "De fato, consideram como infantil que os cumpridores da Constituição aceitem que os argumentos políticos complexos de hoje possam ser resolvidos por um simples documento escrito no Século 18", disseram os editores da revista Economist, no final de 2010. "Quando a história é transformada em escritura e os homens em divindades, a verdade é a vítima."

A Constituição é um empecilho para a elite global e seu plano para reduzir a América a uma ruína econômica e cultural. Os direitos naturais e da soberania individual são obstáculos difíceis e devem ser destruídos em prol de um governo totalitário para o mundo.

Os últimos comentários de Obama sobre o plano para impor decretos executivos - como de costume, para o bem das crianças - preparam o palco para a próxima fase do governo ditatorial e o desmantelamento da Constituição e seu rebaixamento para a lata de lixo da história.
 
 
Midia Globalista
DeOlhOnafigueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário