Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Israel enfrenta condenação Europeia por continuar assentamentos ilegais na Palestina

Israel enfrentou críticas da Europa nesta segunda-feira sobre a decisão do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, de ampliar a construção de assentamentos após o reconhecimento de fato pela Organização das Nações Unidas de um Estado palestino.

Grã-Bretanha, França e Suécia convocaram os embaixadores israelenses em suas respectivas capitais para ouvir a profunda desaprovação ao plano para construir mais 3.000 casas na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

Antes de uma visita de Netanyahu esta semana, a Alemanha, considerada o aliado mais próximo de Israel na Europa, fez um apelo para que o país a se abstivesse da expansão de assentamentos, e a Rússia disse que viu a ação israelense com preocupação.

Irritado com a elevação de status dos palestinos na Assembleia Geral da ONU na quinta-feira de "entidade observadora" para "Estado não-membro", Israel disse no dia seguinte que iria construir as novas habitações para colonos.

Tais projetos no passado, em terras que Israel capturou na guerra de 1967 e que os palestinos querem para um futuro Estado, rotineiramente provocaram condenação mundial.

Mas, em uma mudança dramática que Netanyahu teria certamente imaginado que causaria alarme entre os palestinos e nas capitais mundiais, o seu governo pró-colonos também ordenou um "zoneamento preliminar e um trabalho de planejamento" para milhares de unidades habitacionais em áreas que incluem a chamada zona leste de Jerusalém "E1".

Tal construção nas montanhas áridas do E1 — ainda em planejamento e nunca posta em prática em face da oposição de seu principal aliado, os Estados Unidos — poderia bifurcar a Cisjordânia e enfraquecer ainda mais as esperanças de um Estado contíguo.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que o plano de assentamentos seria um "golpe quase fatal" para uma solução de dois Estados para o conflito israelense-palestino.

O principal negociador palestino, Saeb Erekat, afirmou que uma construção em E1 "destrói a solução de dois Estados, que estabelece Jerusalém Oriental como capital da Palestina, e praticamente encerra o processo de paz e qualquer oportunidade de falar sobre as negociações no futuro".

A Grã-Bretanha deixou claro que não apoiaria a forte retaliação israelense para a votação da ONU, que os palestinos buscaram depois que negociações de paz fracassaram em 2010, devido à disputa sobre a construção de assentamentos.

"Nós lamentamos a recente decisão israelense de construir 3.000 novas unidades habitacionais e de descongelar o desenvolvimento do bloco E1", disse um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores. "Pedimos ao governo israelense para reverter a decisão."

Mas um porta-voz do primeiro-ministro britânico, David Cameron, minimizou os rumores de chamar de volta o embaixador da Grã-Bretanha em Tel Aviv.

A França manifestou "sérias preocupações" ao embaixador de Israel, lembrando-lhe que a construção de assentamentos nos territórios ocupados é ilegal e um "obstáculo" para reviver as negociações de paz com os palestinos.

Um funcionário do Ministério de Relações Exteriores francês, em resposta a notícias de que Paris pode trazer de volta o embaixador em Tel Aviv, disse que "há outras maneiras que podemos expressar a nossa desaprovação".

O ministro das Finanças de Israel, Yuval Steinitz, afirmou que Israel não poderia ficar indiferente ao movimento unilateral dos palestinos nas Nações Unidas.

Na Europa, apenas a República Tcheca votou contra a resolução, enquanto muitos países, incluindo a França, apoiaram. Netanyahu também planeja visitar Praga esta semana para expressar seus agradecimentos.
 
Naval Brasil
DeOlhOnafigueira 

Nenhum comentário:

Postar um comentário