Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Israel votará a divisão da Mesquita Al-Aqsa entre muçulmanos e judeus

Um membro árabe do Knesset revelou que haverá uma votação no próximo mês de uma lei elaborada por uma comissão israelense sobre a divisão da mesquita Al-Aqsa entre muçulmanos e judeus.

O árabe Masoud Ghanayim foi citado nesta segunda-feira pelo jornal palestino Felesteen dizendo que “o projeto de lei, que foi elaborado pela comissão parlamentar interior no
Knesset, estipula que os judeus possam realizar orações na Al-Aqsa.”

Ele continuou: “Isto é baseado em uma proposta que dá a muçulmanos e judeus a igualdade de direitos no acesso e uso do local sagrado. Também especifica determinados locais onde os judeus podem realizar suas orações.”.

É importante notar que tanto a lei Rabínica e a israelense atualmente proíbem os judeus de orar na mesquita Al-Aqsa por causa da santidade do local para a religião judaica. A maioria dos judeus lobistas que procu ram influenciar a rezar são colonos ilegais com a agenda da direita.

A Cidade Velha de Jerusalém, onde a Al-Aqsa está localizada é reconhecida internacionalmente como território ocupado. As autoridades de ocupação israelenses frequentemente impedem os muçulmanos de rezar lá.

De acordo com Ghanayim, o mesmo projeto de lei também proíbe a organização de protestos e manifestações civis no complexo Al-Aqsa, e estabelece punição para eventuais violações.

Ghanayim disse que colocar uma lei para qualquer votação é uma “agressão flagrante sobre os direitos religiosos dos muçulmanos em todo o mundo.” Ele também disse que isto é parte do plano de Judaização para a cidade de Jerusalém.

Comentando sobre a base dessa lei, Ghanayim disse que “é baseado apenas em uma legitimidade construída sobre mitos históricos e religiosos sustentados com o poder da ocupação opressiva.”

Ele ressaltou que a Al-Aqsa é parte do mundo islâmico e árabe e não pode ser particionado em qualquer tempo ou lugar. Ele reiterou: “Faz parte das terras árabes e palestinas, que é ocupada pelos sionistas e da ocupação [ilegal] não tem o direito de impor suas leis.”

Ao mesmo tempo, ele insistiu que o governo de Israel está por trás de todas as tentativas dos colonos extremistas de direita em estender a soberania israelense sobre a Al-Aqsa e advertiu que o governo de Israel iria pagar o preço por essa agressão aos direitos dos árabes e muçulmanos.
 
MiddleEastMonitor via Caminho Alternativo
DeOlhOnafigueira

Um comentário:

  1. Isto é um absurdo... como podem dividir algo que não lhes pertence?
    Se o governo de Israel quer dividir, não tenham dúvidas que eles tomarão tudo!

    ResponderExcluir