Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

El Monstro: Nasa confirma maior El Nino já registrado

Imagens comparativas obtidas por satélite confirmam que o fenômeno El Niño atual é o maior já registrado. O evento supera o ano de 1997 e pode ser o responsável pela enorme concentração de chuvas na região Sul do Brasil.

[Imagem: el_nino_2015_20151021-094953.jpg]

Durante o período do El Niño, as águas do oceano Pacífico central e oriental se tornam mais quentes que o normal, produzindo variações climáticas de larga escala na região dos trópicos, com efeitos em praticamente todo o planeta.


Nestas duas imagens, tomadas em 1997 e 2015, vemos dois impressionantes registros da altura do oceano pacífico em sua faixa equatorial. Essa anomalia é uma indicação clara do aumento da temperatura, uma vez que a água expande-se ligeiramente à medida que se aquece e contrai-se quando resfria.

Segundo os dados coletados, a elevação na altura do nível do Pacífico indica uma anomalia térmica de 2,7 graus Celsius na temperatura da zona oriental.


No gráfico, as áreas brancas e vermelhas indicam uma elevação entre 120 e 180 milímetros acima do nível médio na região do Pacífico central, enquanto no oeste do Pacífico equatorial a anomalia se inverte, com os tons roxos e azuis revelando áreas com depressões entre 60 e 150 milímetros.

Uma rápida observação mostra que as áreas em branco e vermelho registradas em 2015 quase dobram quando comparadas a 1997/1998, anos de forte El Nino e marcados por atividades climáticas intensas.
 
No Brasil

Normalmente, nos anos de El Niño há um forte aumento da concentração de chuvas na região Sul, ao contrário da Amazônia oriental e no Nordeste, onde a seca severa se amplia devido ao enfraquecimento dos ventos alísios que distribuem a umidade.

Assim, os riscos de incêndios florestais aumentam em partes da Amazônia, enquanto as enchentes dominam o cenário no sul do país.

A Região sudeste também apresenta comportamento típico, com o aumento da temperatura média. No entanto, não há um padrão característico no regime de chuvas, embora haja previsão de precipitações acima da média no Estado de São Paulo e também no Estado de Mato Grosso do Sul.

Apollo 11
 
Me recordei do caos que foi o ano de 1997/1998. No sudeste foram calamidades, especificamente no norte, com várias enchentes. Nesse ano, a seca predomina. Resta saber o que vem por aí. E somado a isso, vivemos um ano e o seguinte, com dificuldades financeiras. Logo, o pior nos espera.

DeOlhOnafigueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário